Categoria: György Somlyó

Fábula da flor artificial. György Somlyó

IMG_1037

 

São tal e qual como as verdadeiras, seria de esperar que falassem.

Simplesmente não falam.

São belas como as verdadeiras rosas.

Mas um pouco mais belas.

Com mais plenitude.

Todas as espécies estão presentes. E cada qual a mais perfeita.

Do pénis do botão fechado aos lábios desabrochados das pétalas.

As que estão semiabertas, as que o estão totalmente.

E a gama das cores do amarelo profundo ao quase branco.

Iguais hoje àquilo que foram ontem.

E ainda iguais amanhã.

Ignorando o tempo e dele ignoradas.

Como elas zombam de ti, meu antigo desejo:

Anotar a álgebra de uma rosa do irradiar ao declínio.

 

Não se pode viver com uma rosa que não murcha.

 

 

György Somlyó

poemas

tradução de egito gonçalves

Anúncios