Se eu escrevesse um poema sobre ti. António Barroso Cruz

IMGP0537

Se eu escrevesse um poema sobre ti…

…teria que convocar as madrugadas
em que acordámos abraçados,
de peles húmidas e orvalhadas,
em beijos (des)compassados
em que os silêncios eram palavras

Se eu escrevesse um poema sobre ti…

…agarraria nos sorrisos que me deste
e em tantos momentos apenas nossos,
nos abraços com que me preencheste,
e nos pensamentos mais devassos
que nos percorreram o norte, o sul, o leste

Se eu escrevesse um poema sobre ti…

…escreveria sobre o mar
e as nuvens que disputam o céu,
desse verbo que gostamos de conjugar,
dos nossos corpos nus, sem véu,
e que rima(m) com loucura, com paixão, com amar

Se eu escrevesse um poema sobre ti…

…desenharia um vulcão incandescente
um raio caído sem destino,
ou uma tarde calada e entorpecente,
um orgasmo inequívoco em puro desatino,
um amanhã sem letras, (in)consciente

Se eu escrevesse um poema sobre ti…

…invocaria os deuses desconhecidos
para cantarem em coro o nosso requiem
em celebração dos gestos decididos,
nas auroras, e nos ocasos também,
inscritos nos devaneios preteritamente iludidos

ai…se eu escrevesse um poema sobre ti…

António Barroso Cruz, Poemas à Flor da Pele, 2013