No silêncio da terra. António Ramos Rosa

4c99fcaae241417b871f0c617af8522d

No silêncio da terra. Onde ser é estar.

A sombra se inclina.

Habito dentro da grande pedra de água e sol.

Respiro sem o saber, respiro a terra.

Um intervalo de suavidade ardente e longa.

Sem adormecer no sono verde.

Afundo-me, sereno,

flor ou folha sobre folha abrindo-se,

respirando-me, flectindo-me

no interior aberto.

Não sei se principio.

Um rosto se desfaz, um sabor ao fundo

da água ou da terra,

o fogo único consumindo em ar.

Eis o lugar em que o centro se abre

ou a lisa permanência clara,

abandono igual ao puro ombro

em que nada se diz

e no silêncio se une a boca ao espaço.

Pedra harmoniosa

do abrigo simples,

lúcido, unido, silencioso umbigo

do ar.

o teu corpo

renasce

à flor da terra.

Tudo principia.

 

antónio ramos rosa

vagabundagem na poesia de antónio ramos rosa

seguido de uma antologia

casimiro de brito

quasi

2001

trazido daqui

imagem daqui

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s