Idílio. Antero de Quental

broadmoor-resort-eua-4.jpg

Quando nós vamos ambos, de mãos dadas,
Colher nos vales lírios e boninas,
E galgamos dum fôlego as colinas
Dos rocios da noite inda orvalhadas;

Ou, vendo o mar das ermas cumeadas
Contemplamos as nuvens vespertinas,
Que parecem fantásticas ruínas
Ao longo, no horizonte, amontoadas:

Quantas vezes, de súbito, emudeces!
Não sei que luz no teu olhar flutua;
Sinto tremer-te a mão e empalideces

O vento e o mar murmuram orações,
E a poesia das coisas se insinua
Lenta e amorosa em nossos corações.

Antero de Quental

5. Lieke Marsman

IMG_1119

Se a palavra angústia começasse pela primeira letra do alfabeto em cada língua

Se eu acordada pensasse que iria despertar de repente

Se eu visse constantemente algo mexer-se no canto do olho,

Sendo contudo sempre uma árvore existente

Se eu tivesse medo de repentinamente começar a pensar que

tudo girava à volta da minha pessoa

Se tudo girasse à minha volta

Se eu esperasse que a minha respiração recuperasse espontaneamente

porque me tinha esquecido que já o fazia, como uma criança

que pensa que vai deixar de ter oxigénio durante o sono

Se eu fosse novamente essa criança

Se eu tivesse medo que a partir de agora o tempo deixasse de passar,

o que me obrigaria a ficar neste momento para sempre

Se me culpasse de ser paradoxal, seria logicamente obrigada

a perdoar-me ao mesmo tempo

Se eu pensasse que de repente o mundo se abriria

Sob a forma de um olho de gato ou de uma vagina:

 

Aqui

ergue-te, abre uma janela

com uma mão que sentes, à vista

de alguém que queres sentir,

no reflexo da janela fechada.

 

( de De eerste letter, 2014)

trazido d’aqui

Como palavras. Lieke Marsman

1ec0b0d55ac271078ecc955269e461a9

Não preciso de pôr um ponto final

a algo que está irrevogavelmente suspenso.

 

Não me devo esconder no rosto de outra pessoa ou

ficar desanimada com isso. Devo projectar algo

que irá descobrir-se ser um mapa, iniciar uma viagem

bela e inesgotável como palavras, como palavras.

 

Não preciso de abrir uma porta

para a deixar entrar.

 

Tão-só fechar uma janela

que ela irá querer arrombar.

 

(Lieke Marsman, De De eerste letter, 2014)

trazido d’aqui

[poesia japonesa – tanka] Shikibu.

Japanese_umbrella.jpg

Se o cavalo dele

tivesse sido domado

pela minha mão –

eu tê-lo-ia ensinado

a não seguir mais ninguém.

 

Isumi Shikibu

 O Japão no Feminino – I – Tanka  poesia dos séculos IX a XI, Assírio & Alvim, 2007

A forma poética conhecida como TANKA – poema de 31 sílabas em japonês, mais extensa que HAIKU com apenas 17 sílabas.

recado. Al Berto

time_bass museum art

desprende-se do teu olhar o magnífico
abandono dos animais adormecidos
recordo tuas mãos gretadas pelos sóis oblíquios destes dias
do corpo esquecido jorram resinas
retenho ainda os mais íntimos desejos de me confundir com a paisagem
ou de viver precariamente no outro lado do seu silêncio enrubescido

Al Berto

Cidade dos desaparecidos. Rui Pires Cabral

lisboa _azulejos_antes do terramoto
Muitas vezes não amei Lisboa,
não soube amá-la ao anoitecer
dos dias úteis, quando era gasta,
parada e suja, e nos autocarros
quase vazios viajava de luz acesa
a entranhada tristeza do mundo
que foi a minha primeira e mais
precoce intuição. Grande cidade
dos desaparecidos, eu não tive
tantas vezes a saúde de gostar
dos teus pequenos jardins
abandonados. Quando nos cafés
já iam desligando as máquinas
e do outro lado da linha ninguém
voltava jamais a responder
como eu queria, quantas vezes
não pude achar o sítio e o sossego
para esquecer e dormir? Mesmo assim,
eu não te fiz justiça, Lisboa, quando
me deixei de ti: eu não era exemplo,
eu sempre estranhei um pouco a cama
da vida.

Em Lisboa, sobre o mar: Poesia 2001-2010 [de Longe da aldeia], 2013