Conservação. Frederico Pedreira

ruby_beach_stones_1_tylerwestcott.com

É sempre com este medo de dizer
que me apresento, na vergonha
de umas mãos metidas para dentro
à procura desse abismo de pele
côncavo e azul.

Ando à escuta
de um rosto que aprendi
a lembrar no oco das paredes,
húmido como barro, guardado
entre ossos muito limpos.

Sei de algumas coisas: que nunca
sobreviverei perto de ti com um
punhado de metáforas de inverno,
que vou andando voltado para trás,
e só confio na mancha do meu sopro.

[Frederico Pedreira, Doze Passos Atrás, Artefacto, 2013]

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s