Já nada o fazia esperar mas eis… Helder Moura Pereira

jardicentro_cama_rede_iporanga

Já nada o fazia esperar mas eis
senão quando se libertou do jugo
que o dominara durante tantos anos.
Esquecia-se de quantos, mas foram muitos.
Parecia um miúdo todo contente
a brincar com um brinquedo novo,
que no seu caso se chamava tempo.
Quis logo trocar tudo, se se deitava
tarde, começava a deitar-se cedo,
se tinha deixado livros para ler,
lia-os de enfiada e ficava mal disposto.
Também brincava com a morte,
assim como um miúdo pequeno, hás-de
ter um lindo enterro, e coisas assim.
Havia de dar uma volta pelo interior,
descobrir cidades neutras, ver
outras caras, Não é que estivesse
farto destas, mas pertenciam
ao jugo, quer quisessem quer não.
E corria a favor do vento, tal e qual
um miúdo, e quando o vento
era contra, desistia, fingia
que já chegava de exercício.
Romper com tudo, mas deixar
uns fios soltos, com esses fios fazer
uma teia, armar uma rede, pôr-se
aos saltos na rede, como um miúdo.

Helder Moura Pereira

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s