as mães crescem com os anos. Nuno Higino

IMGP0915

As mães sobem uma escada até ao céu,
sobem e descem a escada longa dos filhos;
as mães olham para cima, firmam as mãos na escada
e pensam com os olhos. Ficam de pé ―morrem de pé
se for preciso― a pensar as estrelas. Cada uma delas
é um pulmão jovem, um alvéolo inviolável.
As mães crescem com os anos, tornam-se ramos
a baloiçar na escada: são perenes, persistentes
e mansas. As mães abrigam os pássaros no olhar,
tomam-nos nas mãos como oferta sagrada
e soltam-nos do alto da escada: voam, voam,
crescem contra as nuvens e são água, espuma,
exílio azul. Os filhos são os olhos das mães, aflitos
e saudáveis, à espera que floresça a flor fria
da amendoeira. Olhos que partem para regressar a si.

Nuno Higino (texto).

mãe. E leva os filhos nos olhos como se os levasse pela mão

Letras&Coisas. 2011
Anúncios

3 thoughts on “as mães crescem com os anos. Nuno Higino

  1. SÓ POR ISSO, MÃE
    Lopes Morgado

    Mesmo que a noite esteja escura,
    Ou por isso,
    Quero acender a minha estrela.

    Mesmo que o mar esteja morto,
    Ou por isso,
    Quero enfunar a minha vela.

    Mesmo que a vida esteja nua,
    Ou por isso,
    Quero vestir-lhe o meu poema.

    Só porque tu existes,
    Vale a pena!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s